dez
11
shutterstock_85067020

Você geralmente está cansado, indisposto e com falta de energia? Tem uma vontade louca de comer doces? O intestino está sempre desregulado? Possui ou já teve fungo ou micose nas unhas? Tem alterações de humor e irritabilidade e falta de memória? Se você respondeu sim a três ou mais perguntas, você é um forte candidato a ser o habitat de uma comunidade de Cândida.

A cândida é um tipo de fungo formado por mais de 200 espécies que habita nosso intestino normalmente. Sua presença é geralmente benigna. O problema é quando ela se prolifera e ataca as mucosas, intestino, pele, unhas, sugando nossa energia e nos deixando suscetíveis a infecções e alergias. Estudos recentes, mostram que a colonização elevada de cândida está associada a várias doenças do trato gastrointestinal (KUMANOTO, 2011)

No entanto, a infecção só ocorre, quando temos uma alimentação desregrada e principalmente um intestino não saudável. Isso pode acontecer por vários motivos: uso de antibióticos, alto consumo de açúcar e alimentos refinados, consume de álcool ou outros medicamentos, estresse. E o pior de tudo isso. O alimento preferido da Cândida albicans é o açúcar.

Tomar uma medicação para fungo, até pode ajudar, mas não vai solucionar o problema se não houver mudanças nos hábitos alimentares e a colonização do intestino através do uso de probióticos. O ideal é evitar os alimentos refinados, como pão, arroz, biscoitos, massa, pois possuem índice glicêmico alto e se transformam rapidamente em glicose, sendo o alimento ideal para esses fungos.

E não pense que só as mulheres podem ter esse fungo, pois os homens também podem ser vítimas da candidíase. Essa infecção é frequentemente relacionada à mulher por causa da espécie Cândida Albicans, que se instala no canal vaginal quando a imunidade está baixa, dando aqueles indesejáveis sintomas de coceira, corrimento e dor. Isso acontece devido à proximidade entre o canal vaginal e o intestino, o que evidencia ainda mais a importância e o impacto da flora intestinal na flora vaginal.

Vale lembrar que o ideal é uma avaliação individual com um nutricionista funcional, para que se atendam as causas dos problemas, respeitando a individualidade bioquímica de cada organismo.

Artigo: Dra. Andrea Bassuino – Nutricionista Funcional

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário